sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Granizo na região de Lisboa. A explicação!

Granizo na região de Lisboa – 17 jan 2014
Image de um tornado2014-01-22 (IPMA)
No passado dia 17 de janeiro o território do continente encontrava-se sob a influência de uma depressão complexa cujo núcleo principal se centrava, pelas 0 UTC, entre a Islândia e as Ilhas Britânicas. Em associação a esta depressão desenvolveu-se e propagou-se, para sueste, um núcleo secundário que se centrava a oeste da Corunha (Espanha) pelas 9 UTC do mesmo dia. Esta configuração traduzia-se pela existência de um vale em altitude a oeste da península, que promovia um fluxo de ar polar modificado, ainda com razoável conteúdo em água precipitável, sobre o território do continente. A referida massa de ar não apresentava grande instabilidade, mas esta encontrava-se disponível até níveis relativamente elevados. Por outro lado, foi notória a presença de uma corrente de jato aos 300 hPa, com uma orientação noroeste-sueste e cujo máximo se localizava a oeste da península Ibérica pelas 9 UTC. Esta corrente de jato induzia, sobre as regiões centro e sul do continente, um importante forçamento dinâmico favorável à sustentação de fortes correntes ascendentes. Em face do perfil vertical do vento criado entre a superfície e níveis elevados, algumas das estruturas convectivas que se organizaram neste ambiente adquiriram uma natureza supercelular.
Uma destas supercélulas (forma convectiva dotada de uma corrente ascendente com movimento de rotação duradouro e organizado nos níveis médios), formou-se cerca de 60 km a oeste-sudoeste de Lisboa, tendo-se deslocado para este-nordeste e organizado gradualmente com a aproximação à costa portuguesa. À escala de uma supercélula, os movimentos ascendentes costumam ser particularmente fortes e, no contexto sinótico apontado, terão favorecido um rápido transporte vertical e consequente brusco arrefecimento da massa de água. Esta, conduzida bastante acima do nível de congelação num ambiente convectivo organizado e duradouro como o de uma supercélula, encontrou condições para se converter na grande quantidade de granizo observada. Tratou-se essencialmente de granizo (pedras com diâmetro inferior a 5 mm) e saraiva de pequena dimensão (pedras com diâmetro até 10mm). Não obstante o diâmetro relativamente modesto das pedras, o episódio foi notório pela sua duração (havendo casos de queda de granizo durante mais de 15 minutos sobre o mesmo local) e, por vezes, pela sua repetição sobre a mesma área. Estes factos foram devidos à propagação relativamente lenta da supercélula sobre a região de Lisboa (verificada entre a Parede e Sacavém) e a alguns episódios de realimentação da mesma que tiveram lugar. Favoreceram, no seu conjunto, a deposição de uma camada de granizo e saraiva com uma espessura razoável, sobre áreas relativamente extensas.
Recorreu-se a um método convencional baseado num valor limiar de refletividade radar, para efetuar um diagnóstico das áreas onde terão caído pedras com diâmetro da ordem de 8 mm ou superior, sobre a superfície. A animação de um produto de refletividade a baixa altitude (indicador de posição plana, PPIZ a 800 m de altitude, ver figura 1) permite acompanhar a progressão da queda de granizo observada sobre a região de Lisboa. Chama-se a atenção para o facto de áreas mais extensas do que as delimitadas poderem ter sido afetadas pelo fenómeno, já que granizo de menor dimensão poderá não ter sido detetado e, por outro lado, porque a observação do radar não é absolutamente contínua no tempo. O granizo caído em áreas como a margem sul, área a norte de Lisboa e região do Oeste esteve associado a formas convectivas com alguma organização, embora nem todas de tipo supercelular. A fim de se avaliar a distribuição global do granizo observado, apresenta-se a sobreposição num mapa Google das áreas afetadas pela queda de granizo (ver figura 2). Este mapa poderá ser confrontado com um outro, do mesmo tipo, construído para ilustrar o episódio de granizo de 29 de abril de 2011 sobre a cidade de Lisboa (ver figura 3). Uma comparação mostra que no episódio de 2011 foram afetadas áreas relativamente mais extensas da cidade. Por outro lado, o histórico mostra igualmente que as pedras de maior dimensão foram maiores no episódio de 2011.

Aproveita-se esta oportunidade para esclarecer que granizo e neve são fenómenos distintos e que não devem ser confundidos, embora se possa assemelhar o aspeto da deposição no solo. A neve está, em geral, associada a massas de ar estratificadas, sem grande instabilidade e caraterizadas por movimentos verticais ascendentes pouco expressivos embora persistentes e abrangendo grandes áreas. Estes movimentos são suficientemente lentos de modo a permitir a gradual formação dos cristais de gelo que constituem os flocos de neve, por agregação progressiva. O regime de precipitação tende a ser contínuo, embora também possam ocorrer aguaceiros de neve. A queda de neve é observada sob temperatura do ar negativa ou pouco positiva, à superfície. A queda de granizo, por seu turno, está apenas associada a massas de ar em que instabilidade, a uma escala pelo menos local e por vezes reforçada por outros efeitos, conduz a movimentos verticais ascendentes muito vigorosos. Estes movimentos são de tal modo rápidos que não permitem que o arrefecimento seja acompanhado pela cristalização. Nestas condições forma-se o chamado gelo amorfo (pedras sem cristal consolidado, i.e. granizo ou saraiva). Neste caso o regime de precipitação é de tipo intermitente (aguaceiro), podendo as quedas de granizo durar um pouco mais no caso de o escoamento ser lento e/ou diversas células convectivas passarem sobre a mesma área, em instantes sucessivos. A queda de granizo pode ser observada com temperatura do ar elevada à superfície, inclusive no Verão.